logo

Menu

Associação da

Pasteleira

Torres Vermelhas

Julho
Sexta-Feira
29
21:30
Teatro
75 min.
M/12

Rua Gomes Eanes Azurara, 129


COMO CHEGAR

STCP

200 , 204 , 207 , 504

VER NO MAPA

PARTILHAR

DE MARÇO A DEZEMBRO DE 2022

Entrada Gratuita

A PERTURBAÇÃO DO CIDADÃO EXEMPLAR

Joana Magalhães / Comédias do Minho

A partir do texto de Gonçalo M. Tavares

Image

Um cidadão exemplar é um sujeito polido, higiénico, sem manchas negras, avesso a conflitos e um feliz respeitador de regras. Um cidadão exemplar não tem tempo porque tem a vida cheia, preenchida, sem buracos na existência. Cada vez mais cheia, mais preenchida, mais sem buracos para existir. Não tem espaço para duvidar por- que não tem tempo para questionar. É afirmativo, definido, muito bem resolvido. Um cidadão exemplar não consegue parar. Porque parar é morrer e isso não pode ser. Mas não sabe dançar. Tem o corpo ressequido, o cérebro aturdido. Falta-lhe ginga na anca e fome na pança. Um cidadão exemplar não sabe dançar. E talvez isso o possa matar.


Tomando como inspiração uma das estórias mais célebres de Herman Melville, Bartleby, este espetáculo coloca em arena de combate o conceito de trabalho, tal como hoje o conhecemos. Celebra-se o ritmo como força pulsante e formadora de humanidade, num mundo-máquina desprovido de corpo-animal.


Neste espetáculo, uma produção das Comédias do Minho, com encenação e direção artística de Joana Magalhães, conta-se a estória desta perturbação, fazendo suar o discurso no corpo dos atores, ao ritmo frenético de uma bateria.

Encenação e direção artística

Joana Magalhães

A partir do texto de

Gonçalo M. Tavares

Interpretação

Catarina Luís

Dinis Duarte

Lucília Raimundo

Rui Mendonça

Luís Filipe Silva

Composição musical

André Nunes

Francisco Beirão

Músicos

André Nunes

Francisco Beirão

Cenografia e figurinos

Cristóvão Neto

Desenho de luz e som

Vasco Ferreira

Produção

Comédias do Minho


OUTRAS DATAS DE APRESENTAÇÃO

Fotografia © Direitos Reservados