logo

Menu

Ilha da Bela Vista

Outubro
Sábado
25
15:00
Teatro
180 min.
M/12

Rua D. João IV, 832

COMO CHEGAR

PARTILHAR

De maio A dezembro 2021

Entrada Gratuita

Arquipélago

Ao Cabo Teatro com Circolando e Paulo Mendes

Image

A ilha é o outro da cidade. Pertence-lhe e integra-a, apesar da sua invisibilidade, repete-a na sua organização, opõe-se-lhe desafiando regras cuja universalidade põe radicalmente em causa. A ilha definha com os tempos, com outras formas emergentes de organização da pobreza e da exclusão. Mas a ilha persiste. A ilha existe.


Este projeto nasce da vontade de pensar, de construir um pensamento com o corpo de cada um dos intervenientes, sempre a partir da ilha. Pensar na cidade, a polis, a república, a democracia, pensá-la através das experiências e memórias dos habitantes e de todas as pessoas que orbitam o universos da ilha Bela Vista. Partindo das memórias e experiências dos residentes, das suas opiniões, do seu desejo de intervenção, constrói-se uma história por dentro do tecido da ilha que seja universal e atuante no presente. Com isso afirma-se com clareza que os caminhos que levam à ilha têm dois sentidos e que a cidade pode e deve aprender-se na ilha. 


Programação


República 

Encenação Nuno Cardoso

Dramaturgia e Tradução José Luís Ferreira

Cenografia F Ribeiro

Desenho de Luzes José Álvaro Correia

Elenco Residentes da Ilha da Bela Vista, os atores e bailarinos profissionais e cidadãos convidados de outros bairros do Porto

Produção Ao Cabo Teatro


Ilhas

Intervenção plástica de Paulo Mendes


Ilha/Cidade/Mundo

Toda a reflexão e discussão, criação ficcional e especulação filosófica que pode levantar-se a partir do trabalho relacional de criação do espetáculo dará lugar a um programa de discussões e debates, segundo o princípio de que a Ilha é, pode e deve ser o lugar de discussão de questões universais. 


Circolando

Numa colaboração com a companhia circolando, o programa é secundado por três propostas: Noveloteca, performance/instalação de Ana Madureira; Histórias Incendiárias, de Patrick Murys e Luís Belo; Como Pedras Fora do Chão, de Ricardo Machado e Pedro Salvador; Bikafrica, de Áfrika Martinez e Carlos Bica.


Há Festa na Aldeia

Comissário Hélder Sousa

Paulo Mendes